Foto equipe coordenadora Débora, Gustavo, Valério e Miltom
O cenário da América Latina e do Caribe desencadeia novos desafios para as igrejas"
A + A -

Do dia 25 ao dia 28 de abril, Miltom de Oliveira, Debora Conrad (Secretária de Formação da IECLB), Gustavo Driau e Valério Schaper estiveram na Faculdades EST, em São Leopoldo, RS, para a primeira reunião presencial da Equipe de Coordenação do InS em 2016.

Além de um momento de diálogo com a reitoria da Faculdades EST, a Equipe também esteve presente em mais uma rodada do Grupo de Trabalho Metodologias de Planejamento Estratégico. Na pauta de trabalho da Equipe, estavam temas mais operacionais, como a continuidade e definição de novos cursos nas modalidades presencial e online, publicações e assessorias, bem como temas de caráter mais estratégicos, como o novo triênio do InS (2017-2019).

A partir de uma breve reflexão retrospectiva, a Equipe de Coordenação avaliou que a fase de implantação do InS vem sendo cumprida com bons resultados e que a ampliação das ofertas (produtos e processos) permite ir envolvendo paulatinamente as igrejas luteranas da região, respeitando a caminhada de cada uma delas.
Entretanto, a Equipe de Coordenação em suas análises considerou que as duas últimas décadas trouxeram mudanças enormes para as sociedades latino-americanas e caribenhas ao lado de todas as inovações científicas e tecnológicas. Para citar um exemplo, considere-se o crescente nível de expectativa de participação e de transparência na gestão da coisa pública que vem tensionando o continente.

Estes novos elementos, concluiu a Equipe de Coordenação em sua reflexão, estão demandando novo perfil de liderança e novos modos de participação. A pergunta que se coloca é muito séria: estamos em condições de preparar lideranças e desencadear modelos de gestão capazes de dar conta destes novos desafios a partir de nossas experiências eclesiais (igrejas e organizações diaconais)?

A Equipe de Coordenação interpretou que este cenário é igualmente o desafio do InS para seu novo triênio. Entretanto, a Equipe também avaliou que os processos iniciados pelas igrejas mediante a ação comunitária mobilizada pelo Programa Sustentabilidade cultivam as sementes que podem dar vida e respostas a novos experimentos eclesiais e sociais. Para acompanhar este processo o InS precisa estar preparado.

Por: Equipe operacional - 30/04/2016 Imprimir