Grupo das pessoas reunidas no evento, a fotografia contém todos os membros lado a lado.
Ser cidadão e ser cristão não são realidades separadas; são fundamentais para vivermos a plenitude"
A + A -

No dia 1 de abril, a Pastoral da Cidadania do Sínodo Uruguai realizou no CEFAPP, Centro Evangélico de Formação e Assessoria à Pastoral Popular, em Palmitos, Santa Catarina, o I Encontro da Cidadania do Sínodo Uruguai. O Pastor Sinodal Jair Luiz Holzschuh abriu o dia de atividades com uma palavra de saudação e trouxe reflexões sobre o momento atual, destacando a importância da Pastoral. O Pastor Marcos Sander, Coordenador da Pastoral da Cidadania do Sínodo Uruguai, relembrou às pessoas presentes o sentido de uma pastoral desta natureza e refletiu sobre seus objetivos.

Ambas as falas enfatizaram que a defesa de políticas que respeitem a dignidade e a vida justa de todas as pessoas encontra sua razão de ser no próprio Evangelho (Lc 4.18-19) e que as discípulas e discípulos de Jesus são chamadas e chamados a participarem e a se envolverem neste mundo na construção de relações econômica e socialmente mais justas.

Desta compreensão emergem as questões relativas ao papel da igreja em relação à cidadania, à complexidade do mundo em que vivemos, às ações concretas e as estratégias decorrentes, às atitudes cidadãs ordinárias e à baixa motivação para o engajamento. Todas estas preocupações podem ser emolduradas, no entendimento da Pastoral da Cidadania, pela questão de fundo a respeito de uma ética luterana transformadora.

Para refletir a respeito destas questões, a Pastoral da Cidadania, na pessoa da Diácona Cátia Berner, responsável pela área de Formação e Diaconia do Sínodo Uruguai, e o Pastor Marcos Sander, convidaram o P. Dr. Valério Schaper, professor de ética da Faculdades EST e Coordenador Acadêmico do Instituto Sustentabilidade América Latina e Caribe (InS), para refletir com as pessoas participantes sobre a relação entre teologia luterana e cidadania. O professor Valério, após apresentar a visão que Lutero tinha das relações entre economia, política e religião, refletiu com as pessoas presentes sobre a noção de vocação no Reformador como uma forma de dialogar com a compreensão atual de cidadania.

Entretanto, considerando as transformações da cultura e da sociedade, a Pastoral da Cidadania tem também como um dos seus desafios a construção de redes com as pessoas envolvidas na causa da justiça, na luta por direitos, nos movimentos e nas práticas voltadas para o meio ambiente e aquelas engajadas em movimentos populares. A propósito deste tema, o professor Valério compartilhou, de forma breve, algumas ideias que estão sendo trabalhadas e divulgadas pelo InS.

A ideia elementar compartilhada com as pessoas presentes é que só é sustentável - isto é, tem valor e longevidade social - o que tem estrutura de rede. Neste sentido, a cidadania para ser longeva precisa constituir-se na forma de redes de diálogo, de entendimento, de troca de experiências, de formação e de organização. As redes conferem uma forma nova de estruturação, organização e politizam as atuais formas sócio-digitais de interação.

O I Encontro de Cidadania reuniu 22 pessoas de confessionalidades distintas e de diferentes ocupações (agricultores/as, pessoas envolvidas em cargos públicos, profissionais liberais, pessoas engajadas em movimentos e nas lutas sindicais e ambientais, etc.) para um dia inteiro de reflexão e diálogo. A Pastoral da Cidadania do Sínodo Uruguai preparou uma forma de acompanhar estas pessoas através do programa intitulado “Formação Cidadã”, que reunirá estas pessoas, e outras, em modalidade de seminário, para mais 8 encontros de temáticas relacionadas.

Por: Equipe Operacional do InS - 06/05/2017 Imprimir